Crescer não é fácil, em nenhum tempo, em nenhuma religião. Deixar a leveza da infância para trás e ingressar no mundo das responsabilidades, ainda que devagarinho, é um passo que merece um rito de passagem desde os primórdios da Humanidade. No judaísmo, a maturidade religiosa é marcada com um grande evento, o Bar Mitzvá, que em hebraico significa filho da lei ou do mandamento. 

Essa transição, que acontece aos 13 anos para os meninos e aos 12 para as meninas, é considerada a mais importante na religião judaica, e é marcada por uma cerimônia que ressalta a importância de cada judeu na corrente ancestral do próprio judaísmo.

Pela primeira vez, o jovem colocará o Tefilin, será chamado para ler o Torá, e passa então a ser livre e responsável pelos seus atos, definindo seu caminho de acordo com seus valores e comprometimentos. É a maturidade cultural e social, uma ocasião que deve ser cuidadosamente planejada para refletir a essência do jovem. Sua organização requer respeito e muito cuidado com as tradições, por isso o Branding de Eventos pode ajudar bastante na hora de organizar esse evento tão especial.

Simbologia que merece muito respeito

Já se vão pelo menos 2 mil anos desde que a cerimônia existe para os meninos, mas o ritual equivalente feminino, chamado de Bat Mitzvá, acontece há cerca de 70 anos. Como é mais novo – talvez pelo fato de que em algumas correntes do judaísmo elas eram dispensadas dos estudos religiosos – ele ainda está em uma espécie de processo de construção, mas o ritual assemelha-se bastante ao do Bar Miztvá.

O Bar Mitzvá é recheado de símbolos muito fortes, como a leitura pública de um trecho do Torá, significando que, a partir daquele momento, ele também é responsável pelo livro sagrado, inclusive por sua própria interpretação.

Outro símbolo é o Tefilin, caixinhas pretas com faixas de couro que, colocadas no braço, na cabeça e na altura do coração, significam a busca pela coerência entre o que pensa, o que sente e o que realiza. Já o Tali, é um manto branco com franjas e quatro pontas que representam a transparência, as boas ações, a beleza interior e o comprometimento do novo adulto.

Na festa, o Branding ajuda a realçar ainda mais a essência da transição

Toda essa simbologia merece muito respeito e não pode ser alterada de forma alguma, mas há aspectos da festa que podem e devem ser organizados de forma a personalizar ainda mais a ocasião. A parte religiosa acontece na sinagoga e é organizada pela família em parceria com a administração do local e o rabino, seguindo rigorosamente os costumes da tradição judaica. 

A festa, no entanto, como qualquer outra, precisa apenas de um local adequado para comportar todo o luxo que a ocasião merece, sem abrir mão da religiosidade, e de um bom planejamento. Ela pode acontecer tanto na casa da família quanto em um salão de festa ou clube, à escolha da família.

O estilo, portanto, dependerá da personalidade do novo adulto – e é aí que o Branding de Eventos Sociais pode fazer toda a diferença. A festa, na realidade, é a continuação do rito de passagem, por isso é essencial fazer um estudo sobre as preferências e o caminho do jovem até aquele momento para captar a essência do rapaz e transportá-la para o evento de forma emocionante, personalizada e contagiante.

O Branding de Eventos gera um guia que também ajudará os fornecedores a seguir uma linguagem coesa e coerente com o espírito da festa em todos os detalhes, principalmente levando em conta algumas restrições religiosas. É o caso do buffet, por exemplo, cujo cardápio deve ser elaborado de acordo com os preceitos e proibições da religião, mas pode ser acrescido de itens pessoais, como alguns doces inspirados na culinária judaica, por exemplo.

O Branding de Eventos Sociais faz da festa do Bar Mitzvá uma apresentação ainda mais marcante para a família, convidados e a comunidade em geral, agregando valor e personalidade ao homenageado.